JOÃO BELOTTO

Descendente de José Belotto, de Luiggi Mais conhecido como "PAI JOÃO", nasceu em 08 de outubro de 1921 (completa 78 anos na próxima sexta-feira), em Taquara, no Rio Grande do Sul. Aos cinco anos de idade mudou-se com sua família para Barra do Leão Campos Novos, onde já estava estabelecido o seu avô LUIGI BELLOTTO. Pai João mora atualmente no município de Ouro/SC..
Totalmente lúcido e gozando da boa saúde, Pai João disse estar muito ansioso para participar do Segundo Encontro em Curitibanos (no primeiro em Caçador não participou por motivos de saúde). Afirmou ser esta uma possibilidade ímpar de rever parentes que não vê há muitos anos. Elogiou a iniciativa dos organizadores e disse que "quem não tem história, não tem presente e não tem futuro".

Romana Bellotto
João Belotto
Principal
HISTÓRIAS DA FAMÍLIA
Pai João lembra de uma história contada por seu pai José e que se passou ainda quando a família Bellotto morava em Taquara, RS. Luigi saiu cedo de casa para verificar umas toras que estavam em sua serraria e que seriam cortadas no dia seguinte. Era um Domingo. Luigi e Tereza seriam padrinhos de um batizado que ocorreria durante a missa dominical. Na pressa para não se atrasar, após o banho, correu em direção à Igreja. Lá chegando, Luigi notou que havia esquecido a carteira com o dinheiro. Tentou conversar com o Padre explicando a situação e dizendo que faria o pagamento no dia seguinte.
O padre intransigente não aceitou e disse que sem dinheiro não haveria batizado. Envergonhado, encontrou um amigo a quem pediu o dinheiro emprestado. O batizado foi realizado. Após a celebração toda a família reuniu-se na casa de Luigi e Tereza para o almoço. Terminando o almoço, alguns filhos fizeram menção de deixar a mesa (José, Benjamin e Pedro). Luigi pediu para eles permanecerem pois tinha um assunto muito importante para conversar com todos. Contou a história que havia passado na manhã e disse que não era homem de passar vergonha. Afirmou que a partir daquele momento estaria mudando de religião, mas não obrigaria ninguém a acompanhá-lo, ficando a decisão para cada um, inclusive a Dona Tereza. Apenas o filho Beijamin o acompanhou em sua decisão.

NA BARRA DO LEÃO
Pai João disse lembrar perfeitamente do Vô Luigi a quem ele considerava um homem sério, trabalhador, honesto e de poucas palavras. Luigi era agricultor mas exercia outras funções como ferreiro e carpinteiro. Uma das obras que teve participação direta de Luigi e que ainda está de pé é a ponte da estrada de ferro que liga Barra Fria à Barra do Leão, ponte esta sobre o Rio Leão.